Conquistar bons parceiros, negociar preços competitivos com os fornecedores, fechar novos negócios e conseguir maior notoriedade no mercado são pontos essenciais dentro das redes e centrais de negócios.

Contudo, mesmo diante de tantos aspectos que podem proporcionar o crescimento dos negócios envolvidos neste modelo associativista, existem algumas questões que podem fazer a diferença na rentabilidade da empresa se não forem trabalhadas corretamente.

Uma delas e que queremos abordar neste conteúdo é a precificação de produtos. Tão importante quanto conseguir preços bacanas junto aos fornecedores, é saber precificar esses produtos para que você tenha um avanço financeiro e sólido ao longo do tempo.

Entenda mais sobre a precificação dos produtos e sua importância, alguns benefícios e dicas para você fazê-la corretamente no seu negócio! Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Por que a precificação correta dos produtos é tão importante?

Com o cliente cada vez mais informado e diante de tantas opções, sabemos que o preço não é mais o fator decisivo para a compra. 

Contudo, justamente devido a essa grande concorrência dentro do ambiente digital e também fora dele, mesmo não sendo o fator principal, é essencial que o seu negócio faça de forma contínua uma precificação correta.

Isso é extremamente necessário não só porque os clientes encontram opções semelhantes no mercado, mas, porque o crescimento e a sustentação da sua empresa no mundo dos negócios também dependem disso.

O preço sempre será cotado de acordo com o valor agregado do produto aliado a funcionalidade. É primordial que esta etapa seja realizada com seriedade para que o preço a ser pago seja justo para os clientes enquanto proporcione lucro ao seu negócio.

Não só na precificação de produtos, mas em todas as áreas de um negócio, sem um planejamento, sem uma estratégia clara e objetiva é muito mais complicado conquistar resultados positivos e contínuos no mercado.

A precificação correta é indispensável nos anos iniciais, mas não menos importante nas outras fases do negócio. Ela se faz relevante essencialmente pela necessidade de cobrir gastos diários e buscar fidelizar os clientes com preços atrativos e competitivos.

Benefícios da precificação correta

Benefícios da precificação correta

Ao pontuarmos acima sobre a relevância da precificação correta dos produtos, já falamos alguns benefícios como a sobrevivência do negócio e a maior probabilidade de fidelização junto aos clientes.

Entretanto, queremos apresentar mais algumas vantagens dessa estratégia tão primordial a sua empresa, ela estando dentro de uma rede ou central de negócio, ou não.

  • Satisfação do consumidor
  • O preço diz ao mercado a que tipo de cliente sua empresa é voltada
  • Tranquilidade quanto ao pagamento das obrigações
  • Capacidade de enfrentar a concorrência com um maior embasamento
  • Conseguir dar descontos sem ter prejuízos
  • Melhorar resultados.

Dicas para acertar nesta etapa tão essencial

Agora que você já viu sobre a importância e os benefícios de efetuar uma precificação correta dos seus produtos, vamos apresentar 5 dicas para que essa etapa seja efetuada da melhor forma possível!

1 Não precifique olhando apenas os custos ou os concorrentes

Esse sem sombra de dúvida precisa ser um dos aspectos principais que você deve ficar atento quanto a precificação. Como falamos, não é que você deva deixar esse ponto de lado, ele apenas não deve ser o único caminho para esta etapa.

Avaliar os custos é importante, mas você precisa lembrar que o cliente também tem uma percepção de valor formada e isso deve ser verificado com cautela junto aos custos, sabe por quê? 

De acordo com o Blog da Rede Minipreço Supermercados, […] quando você precifica apenas olhando os custos, há dois caminhos:

  • A percepção de valor do cliente é inferior ao preço: o cliente considera o produto caro demais para o preço, não compra ou “pechincha” na hora de comprar, diminuindo seu lucro
  • A percepção de valor do cliente é superior ao preço: o cliente considera o produto barato e compra sem “pechinchar”, mas ainda assim você deixa de ganhar dinheiro porque não coloca um valor mais alto, mesmo sabendo que o cliente aceitaria.

Da mesma forma, a precificação não deve ser baseada apenas na concorrência. É interessante avaliar, mas não deve ser usado como regra, já que muitos fatores podem e vão influenciar nos valores praticados por cada negócio dentro do mercado.

Custos com aluguel, atendimento de qualidade, produtos diferenciados, logística cara, tudo isso impacta no preço final do produto. Ao fazer parte de uma rede ou central de negócio, como falamos no início do conteúdo, você acaba obtendo preços mais competitivos já que realiza compras conjuntas com outros associados.

Nesse sentido, tudo depende do meio ao qual sua empresa está inserida e quais aspectos norteiam as negociações e o fluxo do seu setor. Vale a pena olhar os preços praticados pela concorrência, mas não tenha como base para estabelecer o preço dos seus produtos.

Uma precificação correta precisa considerar a realidade e necessidades do seu negócio!

2 Conheça suas despesas

Acima falamos sobre não só avaliar os custos e aqui queremos falar sobre as despesas. São elas que dão suporte para o negócio alcançar os objetivos, um exemplo são as folhas de pagamento dos colaboradores. 

De acordo com o Blog Sage […] o principal risco ao adotar uma estratégia de preços baixos é ter prejuízo mesmo com boas vendas. Isso acontece quando o faturamento se torna insuficiente para cobrir todos os custos e despesas. Nesse cenário, o gestor se engana com o volume de clientes, pois sua margem de lucro está tão achatada que a empresa patina, acumula dívidas e não sai do vermelho.

Por isso é extremamente essencial que você avalie os custos e despesas do seu negócio, já que ambos influenciam no crescimento e sustentabilidade da sua empresa.

3 Não mantenha a mesma precificação por um longo período 

Não iremos falar um tópico sobre o mercado, mas ele é importante, principalmente nessa questão da precificação a longo prazo. Manter um preço por um longo período vai contra a fluidez que normalmente encontramos nos negócios.

Seja uma crise econômica ou quando as vendas estão fracas, nesses momentos mexer no preço pode ser um problema, entretanto, ao se prolongar com os mesmos preços, os consumidores se “acostumam” e podem apresentar certa dificuldade em lidar com preços altos de uma única vez.

O ideal é ter esse ponto trabalhado de forma estratégica, aumentando os preços gradativamente para que o seu negócio não seja pego pelo aumento dos custos e assim tenha que prejudicar o consumidor final.

4 Estabeleça sua margem de lucro

Estabeleça sua margem de lucro

Não poderíamos falar de precificação sem falar da margem de lucro. Isso porque, não basta que o valor obtido seja suficiente para cobrir os custos e despesas do seu negócio, é necessário que ele proporcione um ganho desejado, além disso. 

Caso contrário, qual o sentido da sua empresa estar ativa?

Poderíamos indicar uma margem de lucro ideal, mas cada negócio lida com certas peculiaridades e objetivos. Nossa dica é que sua empresa busque pelo equilíbrio, almejando uma rentabilidade sensata.

Lembre-se que preços baixos comprometem o financeiro do negócio, assim como preços altos espantam os clientes. Encontre o equilíbrio que permita que ambos os envolvidos saiam de uma negociação satisfeitos.

5 Use fórmulas para precificar

Nossa última dica não poderia ser diferente: utilizar fórmulas, além das dicas que pontuamos acima, é essencial para que os seus preços fiquem adequados ao seu negócio, clientes e ao mercado.

Confira a seguir uma fórmula para se estabelecer um preço de venda:

  • Percentual do custo fixo

% CF = média mensal de custo fixo x 100 / média mensal de vendas

O próximo passo é determinar a Taxa de Marcação (TM):

TM = 1 – % CC + % CF + % Lucro / 100

CC: Custo de Comercialização (impostos e comissões)

Agora considere o Custo de Mercadoria Vendida (CMV) que corresponde ao valor pago para a compra do produto que será negociado com o consumidor final. Vamos finalmente conhecer o seu preço de venda à vista (PVV) com a seguinte fórmula:

PVV = CMV / TM

O Blog da Conta Azul apresenta um exemplo muito prático e simples desse cálculo: […] vamos supor que seu CMV seja de R$ 31,50 e a TM corresponda a 0,5139. Nesse caso, seu preço de venda será de R$ 61,30, já considerando os custos da operação e o lucro desejado.

Essa foi apenas uma sugestão de fórmula, mas você consegue encontrar algumas opções se pesquisar mais a fundo. É muito importante que você faça uso de cálculos, além das dicas que apresentamos, assim seus preços serão mais assertivos e trarão boas vendas!

E então?

Você viu que falamos sobre a importância de fazer a precificação dos produtos de forma correta e apresentamos alguns objetivos e benefícios dela. E ainda, pontuamos 5 dicas para que esta etapa seja realizada da forma adequada.

Como mencionamos ao longo do conteúdo, a precificação correta não deve ser feita apenas nas fases iniciais do seu negócio, mas principalmente ao longo da trajetória da sua empresa. 

Questões mercadológicas e até mesmo da concorrência demandam mudanças nos preços e é preciso ter cautela na precificação para que tanto o seu negócio quanto os clientes fiquem satisfeitos.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e faça o download gratuito do infográfico que elaboramos com os fatores do fracasso no varejo!

Download infográfico 6 fatores de fracasso no varejo!